“Índio” presidente do Senado: o “caldo entorna”

“Índio” presidente do Senado: o “caldo entorna”

  (02/02/2017 - Marcos W Lima)   O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) foi escolhido para presidir o Senado. O peemedebista, eleito com 61 votos, concorreu contra o senador José Medeiros (PSD-MT) – que obteve apenas 10 votos. Foram registradas 10 abstenções. Assim, o PMDB fica com o cargo por mais dois anos, só interrompido duas vezes desde a redemocratização, em 1985, com Antônio Carlos Magalhães (PFL), de 1997 a 2001, e com Tião Viana (PT), de outubro a dezembro de 2007.  A votação foi quase um consenso. As negociações de bastidores correram soltas, inclusive com a participação do PT, que colocou o senador José Pimentel (PT-CE) como um dos vice-presidentes da Mesa Diretora do Senado.  Eunício Oliveira foi citado na Operação Lava Jato pelo ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, como sendo um dos beneficiários de R$ 7 milhões repassados a parlamentares para ter aprovada uma Medida…

Leia mais...

7 de fevereiro de 2017

7 de fevereiro de 2017

94 anos do Dia Nacional dos Trabalhadores Gráficos (Por Eliana Lacerda – presidente da FNTIG) A origem desse dia é muito singela, mas de um poder simbólico impressionante: é uma homenagem à mais longa greve da categoria, realizada no ano de 1923, em São Paulo – primeiro centro industrial a se desenvolver no Brasil à custa de muita exploração à jovem classe trabalhadora urbana. Vindos de uma cultura camponesa, expulsos de suas terras pelos latifundiários ou movidos pelo sonho de vida melhor, esses trabalhadores enfrentaram muitas dificuldades, mas fizeram jus aos desafios da cidade e deixaram um legado de dedicação, superação e coragem a todos os brasileiros e brasileiras. Além das conquistas, a greve que durou 42 dias, sedimentou os dirigentes gráficos como líderes do movimento político e sindical que surgia com muita força. Dentre os ganhos maiorescitamos: 1) O reconhecimento da União dos Trabalhadores Gráficos - UTG, como representante legítima da…

Leia mais...

Governo e Judiciário intensificam os ataques aos trabalhadores

Governo e Judiciário intensificam os ataques aos trabalhadores

A recente aprovação da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 241 (agora PEC 55, no Senado) representou um ponto de virada na situação política brasileira. Ela foi aprovada com enorme folga e quase sem nenhuma resistência nas ruas. A ausência da luta ocorre, dentre outros motivos, por causa da brutal capitulação da “frente popular”, encabeçada pela direção do PT nos meios políticos, pela CUT e CTB no meio sindical, além do MST e outras poderosas forças sociais que poderiam fazer frente aos ataques, caso se movimentassem nesse sentido. A PEC 241 congela os investimentos públicos sociais por 20 anos, tomando como referência o ano de 2016, quando o orçamento sofreu duros cortes a fim de garantir repasse de recursos para a especulação financeira e pagamento da dívida pública. Com isso, saúde, educação, segurança pública, infraestrutura, previdência e direitos trabalhistas não terão nenhum investimento por vinte anos. Enquanto isso, gastos com eleições…

Leia mais...

Ocupações de escolas: um prenúncio do que está por vir

Ocupações de escolas: um prenúncio do que está por vir

A FNTIG apóia todas as ocupações de escolas, universidades e qualquer espaço público, bem como, qualquer ação organizada que tenha como objetivo externar a contrariedade da população e setores sociais em relação às danosas medidas de curto, médio e longo prazo arquitetadas contra o povo brasileiro e contra nosso país pelos governos instituídos. Apoiamos e trabalhamos, na medida de nossa capacidade, em prol da união de todas as forças políticas sindicais, estudantis, dos movimentos sociais, que possam construir uma forte greve geral, unica saída frente aos ataques que estamos sofrendo.  Somos absolutamente contrários ao estado de exceção para o qual aponta os Poderes Estatais. Especialmente contra as decisões ditadas pelo Poder Judiciário, que age completamente à revelia das próprias leis, às quais deveria zelar e ser o maior guardião. Já passa de mil o número de escolas ocupadas no País contra a reforma do Ensino Médio e a PEC 241, medidas impostas pelo governo golpista,…

Leia mais...

OUTUBRO ROSA

OUTUBRO ROSA

PORQUE AS MULHERES TRABALHADORAS MORREM DE CÂNCER O mês de outubro tem sido dedicado, em vários países do mundo, à conscientização e prevenção do câncer de mama e outros que afetam às mulheres. Campanha surgida na década de 90 nos Estados Unidos foi se espalhando pelo mundo e, no Brasil, governos, mídia e movimentos feministas se articulam nacionalmente, desde o ano 2000, com diversas iniciativas – iluminação de monumentos públicos com a cor rosa que simboliza o movimento; exames gratuitos e muitas reportagens e programação especial na TV e rádio, a fim de propagar a campanha. A estratégia é motivar as mulheres a visitarem médicos periodicamente e fazerem exames preventivos como mamografia, Papanicolau e outros, a fim de se prevenir a doença e/ou curá-la mais facilmente, por meio do diagnóstico precoce. Porém, pouco se fala de um problema muito comum a milhares de mulheres brasileiras, que não podem aderir à…

Leia mais...

   

Mundo do Trabalho Contra a Precarização
 (www.mundotrabalho.com.br)

 
 
.

28 de Abril

Dia Mundial de luta contra acidente e morte no trabalho.
(Leia Mais)

 

Terceirização como forma de divisão da classe trabalhadora
Consequências para o exercício da representação sindical no Brasil
(Leia Mais)

IX CONTIG (Especial)

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Há homens que lutam um dia e são bons, há outros que lutam um ano e são melhores, há os que lutam muitos anos e são muito bons. Mas há os que lutam toda a vida e estes são imprescindíveis" (Bertold Bretcht)